terça-feira, 28 de junho de 2016

Motorista perde o Controle e ônibus cai em valeta.

Motorista Perde o Controle da Direção e Ônibus cai em Valeta Na Ladeira Geraldo Melo, em Maceió.


Foto : Henrique Pereira

Um ônibus da Viação Real Alagoas que da linha 230 - Forene / Trapiche, envolveu-se em um acidente na Ladeira Geraldo Melo, no Farol, na manhã desta terça-feira (28). Ninguém ficou ferido.

Foto  : Henrique Pereira
Segundo informações do motorista, identificado como Alexandre, um besouro entrou no seu olho e fez com que ele perdesse o controle do veículo. O ônibus seguia na mão que liga os bairros do Poço ao Farol. Com o impacto, o veículo invadiu a valeta que fica na lateral da via, rompendo a mureta.
Foto  :  Henrique Pereira
Agentes da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) estiveram no local aguardando o guincho e ajudando no intenso fluxo de carros registrado na região. 
Foto : Trânsito Maceió / Alexandre Lino

Foto  :  Trânsito Maceió / Alexandre Lino

Foto  :  Trânsito Maceió / Alexandre Lino

Fonte  :  tnh1.com.br

domingo, 26 de junho de 2016

Ônibus de Maceió Terão Programação Especial.

Ônibus de Maceió Terão Programação Especial Entre os Dias 27 e 29.


  A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito ( SMTT ), informa que devido à celebração do Dia do Comerciário, na Segunda Feira ( 27 ), e do Feriado de São Pedro , na Quarta Feira ( 29 ), os ônibus urbanos terão uma programação especial visando o melhor atendimento aos Passageiros.

  O Planejamento elaborado pelo corpo Técnico da SMTT estabelece que na Segunda, Terça véspera do feriado de São Pedro, e na Quarta , os ônibus urbanos circulem pela capital alagoana com a Programação típica dos Sábados. A decisão foi tomada considerando dados operacionais sobre a demanda dos cidadãos em anos anteriores neste mesmo período.


  " As empresas foram autorizadas a aumentar a frota e o número de viagens, caso a população tenha essa necessidade ou reduzir a demanda, com exceção de linhas cuja as frotas sejam compostas por até três veículos ". Explica o assessor técnico da SMTT Silvio Sarmento.


Fonte  :   SMTT / Maceió - www.maceio.al.gov.br
Informações  :  Leonardo Araújo ( estagiário ) / Ascom 
Foto :  Sérgio José - ônibus alagoas 

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Bassamar Renova com Campione 3.25.

A Viação Bassamar Renova Com Comil Campione 3.25.

Fonte : Portal Ônibus Paraibanos
Matéria / Texto : Josivandro Avelar
Foto : Rafael da Silva Xarão


A Viação Bassamar, de Juiz de Fora-MG, está recebendo oito unidades do Comil Campione 3.25, encarroçadas sobre o chassi OF-1721L Bluetec5, da Mercedes-Benz.

A empresa mineira ainda deve ser mais uma a receber unidades do Campione Invictus, que desde seu lançamento vem se destacando nas vendas, principalmente para grandes frotistas.

HISTÓRIA : San Remo - Um Festival de Evolução.

Marcopolo San Remo Foi Um ônibus Com Diversas Versões, Para as Mais Diferentes Realidades do país e de Toda a América Latina, Sendo Um Marco Importante Para a História dos Transportes.


Marcopolo San Remo Foi Um Ônibus Com Diversas Versões.

ADAMO BAZANI

Quando alguém fala em San Remo, a primeira imagem que vem à cabeça é do famoso festival de música italiana, chamado oficialmente de Festival della canzone italiana, que é realizado sem interrupção desde 1951.  A história do festival, no entanto, é mais antiga ainda e teve origem em 1946, quando um floricultor de San Remo, uma pequena localidade no norte da Itália, que na época tinha como principal atividade econômica a plantação de flores, chamado Amilcare Rambaldi, propôs a criação de um festival de música. A ideia, no entanto, não foi para frente na ocasião, justamente por causa dos efeitos da Segunda Guerra Mundial.
A ligação do Brasil com o Festival de San Remo é bem forte. Um dos ápices na história foi na edição de 1968, quando Roberto Carlos foi vencedor, conquistando o primeiro lugar com a música Canzone per te, de Sergio Endrigo e Sergio Bardotti. Foi pela primeira vez na história do evento que uma música defendida por um cantor que não era italiano conquistou o Festival.
Sérgio Endrigo ( à Direita ) e Roberto Carlos Comemoram a Vitória no Festival de San Remo, em 1968.

A relação entre o Brasil e o nome San Remo não se dá apenas nos palcos e pelas canções, mas também nas estradas, ruas e avenidas num dos momentos mais importantes do País.
San Remo foi também o nome de um dos modelos de ônibus da Marcopolo, hoje a maior fabricante de carrocerias do país e uma das mais importantes do mundo, estando na lista das multinacionais brasileiras. Uma das características históricas da empresa é atribuir nomes italianos aos modelos por causa de sua direção.
Em diferentes versões, o San Remo foi fabricado entre os anos de 1974 e 1983, com unidades para projetos especiais até 1985. De acordo com alguns pesquisadores, o modelo na verdade começou a ser fabricado pela Nimbus, com o nome Haragano. Em 1977, a Nimbus foi comprada pela Marcopolo e o Haragano recebeu modificações no ano de 1978, sendo batizado de Sanremo ou San Remo (forma mais conhecida pelo mercado).
O título desta matéria especial não poderia ser outro: San Remo, o ônibus, foi um festival de evolução e os transportes devem muito a este modelo que às vezes não recebe a atenção merecida quando o assunto é história da mobilidade.
Só para você ter uma ideia, o San Remo foi ônibus com cara de caminhão, ônibus Romeu e Julieta – um antecessor do articulado, ônibus articulado propriamente dito, trólebus, ônibus alongado, ônibus para exportação, ônibus para andar na terra e foi um dos ônibus que marcaram o início de uma nova padronização que trouxe maior qualidade nos transportes urbanos, com a implantação do Padron.  É isso mesmo! Tudo em um único modelo, porém em diferentes versões.
Marcopolo San Remo Com Chassi Longo Mercedes Benz OF - 1313, Usado Para Demandas Maiores de Passageiros.

O San Remo tem outra face na história: marcou um dos momentos mais importantes da história da produtora Marcopolo, que já era grande na época, mas se tornou gigante e mundial.
Enquanto as primeiras versões do San Remo eram produzidas, a Marcopolo dava um salto no segmento de ônibus.
Em 1977, a Marcopolo adquiriu a Nimbus, marca de carrocerias que começaram a ser produzidas em 1968 pela manufatura Furcare S.A., empresa fundada em 1959 na cidade de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul.  Em 1967, a Furcare teve a administração assumida pelos irmãos Doracy Nicola e Nelson Nicola, sócios e fundadores da encarroçadora Nicola.
Vale lembrar que Nicola foi o primeiro nome da Marcopolo, fundada em 1949. A mudança para o nome Marcopolo teve origem em 1968, quando no VI Salão do Automóvel, a empresa renovou a linha de ônibus rodoviários e lançou o modelo Marcopolo. Em agosto de 1971, finalmente a Nicola teve a razão social mudada para Marcopolo S.A. Carrocerias e Ônibus. O nome tinha sido alterado por dois motivos. Um deles foi sucesso do modelo Marcopolo que acabou conquistando no mercado um nome mais forte do que da própria marca Nicola. O outro motivo é que curiosamente, nesta época, não havia mais nenhum Nicola à frente da empresa Nicola.
A continuação da fabricante de carroceria, mesmo depois da saída de todos os Nicola, e a mudança de nome para Marcopolo teve um personagem visionário à frente. Era Pedro Paulo Bellini nascido em 20 de janeiro de 1927, e que participou dos primeiros anos da Nicola, quando em 1951, precisou da ajuda do pai, Alberto Bellini, para completar o dinheiro que precisava para comprar a parte que era de sócios alemães: 240 mil cruzeiros.
A Nimbus continuou operando com esse nome até 1979, quando foi incorporada pela Invel  – Indústria de Veículos e Equipamentos Especiais Ltda, empresa da Marcopolo, que fazia, entre outros produtos, micro-ônibus.
Não foi à toa que as últimas versões do modelo Nimbus Haragano receberam o nome San Remo, da Marcopolo. É que quando foi absorvida pela Invel, a planta da Nimbus continuou operando, mas sem o nome.  A planta da Nimbus foi fechada definitivamente em 1983.

Ônibus da Nimbus, Comprada Pela Marcopolo e Batizado Como San Remo.

Nesta época também, a Marcopolo teve uma planta em Minas Gerais. Era a Marcopolo Minas S. A., na cidade de Betim, criada em 1979.
Um dos anúncios na ocasião mostrava um San Remo que tinha no letreiro escrito Marcopolo Minas S. A.
Anúncio, Com San Remo , Destacava a Marcopolo Minas.

VÁRIOS NOMES – A CARA DO BRASIL.
Como foi possível ver mais acima no texto, o San Remo teve diversas aplicações, desde para tráfego em áreas difíceis até na concepção de um novo padrão para o transporte coletivo brasileiro.
Diante de tudo isso, o San Remo recebeu diversos nomes, nas suas mais variadas versões. Alguns oficiais da Marcopolo, outros dados pelo mercado, entusiastas e profissionais que atuavam nas ruas e nas garagens. Entre os nomes se destacam: Marcopolo San Remo, Marcopolo San Remo I, Marcopolo San Remo ST, Marcopolo San Remo Expresso, Marcopolo San Remo Intermunicipal, Marcopolo San Remo II, Marcopolo San Remo Padron, Marcopolo San Remo II Articulado e até outros mais.
San Remo se Destacou no Final dos Anos de 1970 Também pelos Ângulos na Carroceria que dava ar de Modernidade.

O ônibus Marcopolo San Remo, em sua primeira versão, foi apresentado ao mercado em 1974, época de muita concorrência no setor, quando eram disponibilizados pelas outras encarroçadoras ônibus também de muita qualidade.
O San Remo coexistiu com outro ônibus que foi sucesso da Marcopolo, o Veneza, criado em 1971. Apesar de os dois ônibus serem destinados para os transportes urbanos e interurbanos, o fato de os dois praticamente viverem numa época só era perfeitamente aceitável, já que havia diferenças nas propostas entre ambos.
O Veneza era uma espécie de ônibus urbano Premium da Marcopolo. O San Remo nasceu com a proposta de ter uma melhor relação custo/benefício, além de ser mais leve.
Entre as características iniciais do San Remo estava o letreiro maior.
A visibilidade no San Remo também foi uma das preocupações da Marcopolo que dotou o modelo com janelas amplas.
Os ângulos nas partes da frente e da traseira da carroceria do San Remo passavam um ar de modernidade.
A primeira versão do San Remo foi produzida entre os anos de 1974 e 1979. Na mesma época estavam no mercado o San Remo Intermunicipal, que tinha uma caída na parte superior dianteira e um melhor acabamento interno, e o San Remo Expresso, carroceria desenvolvida para chassis de motor traseiro, que como característica, tinha uma área envidraçada maior no lugar onde ficava o motor na versão com a propulsão dianteira.
San Remo Intermunicipal , Com Sua Caída Frontal Superior. Mais Atrás Modelo Urbano da Ciferal em Linhas entre Angra dos Reis e Rio de Janeiro.

San Remo Com Motor Traseiro para Serviço e Maior Área envidraçada na Frente.

Uma página muito curiosa da história do San Remo foi em 1978, quando o modelo recebia a frente de caminhões Mercedes-Benz, principalmente de plataformas L-1113.
Esta versão foi comum em outros países da América Latina, mas também pode ser vista em áreas de difícil acesso no Brasil.
O San Remo ST Tinha Frente de Caminhão Mercedes Benz e operou em áreas de Tráfego mais Difícil na América Latina, Incluindo Linhas no Brasil.

O San Remo já na sua primeira versão foi sucesso no país e no exterior. Algumas unidades foram embarcadas até mesmo para o continente africano, mas o sucesso maior de vendas para o exterior foi a América Latina.
San Remo Para o Mercado Externo, Com Direção do Lado Direito.

Também foram vistos nesta época, Marcopolo San Remo no estilo Romeu e Julieta. Era uma espécie de antecessor do ônibus articulado. O veículo ônibus puxava um reboque que também levava passageiros.
Mas houve também San Remo Articulado.
San Remo no estilo Romeu e Julieta. Ônibus Puxava Carroceria Reboque.

San Remo Articulado Para o Peru.

No ano de 1978, o San Remo ganhava uma nova versão, denominada San Remo II, com linhas ainda mais modernas, maior espaço interno e novos materiais.
Foi com San Remo II que a Marcopolo produziu uma nova geração de trólebus, usada em diversos sistemas, principalmente no Estado de São Paulo, como em Araraquara e na capital paulista.
Trólebus San RemoPreservado Pela Metra, Empresa de São Bernardo do Campo.

Trólebus Articulado San Remo de 1985, Para a CMTC Companhia Municipal de Transportes Coletivos , da Capital Paulista.

Trólebus San Remo Para o Sistema de Araraquara no Interior Paulista.

Também a partir do San Remo da segunda geração que a Marcopolo contribuiu para o desenvolvimento de um padrão novo de ônibus para o Brasil.
Era o projeto Padron – Estudo de Padronização dos Ônibus Urbanos.

Vale lembrar que o mundo vivia na ocasião uma das grandes crises do petróleo.
Não havia uma padronização para construção de ônibus.
Os conceitos do Padron são usados até hoje pela indústria nacional.
ônibus Tinha de Atender diversas exigências , como menor altura em relação ao solo Para Facilitar o Embarque e o Desembarque.

O Padron foi desenvolvido a partir de 1977 e teve diversas etapas. Em 1978, os técnicos e engenheiros criaram as especificações técnicas para carrocerias e chassis. No ano de 1979, o relatório parcial com as características de desempenho mecânico foi entregue a três fabricantes brasileiros de chassis. Mercedes-Benz, Scania e Volvo.
A última etapa consistiu na construção de cinco protótipos de carrocerias pela Marcopolo, Caio e Ciferal.
Entre 1980 e 1981, os veículos circularam por oito meses em Brasília e outras seis capitais, transportando mais de 900 mil passageiros, o que permitiu que em 1983 fosse publicado o relatório final do projeto.
Entre as exigências básicas que os ônibus Padron precisavam atender estavam:
Localização do motor: Traseira ou no entre eixos
Características do motor: Potência/Torque acima de 9 kw/t e 40 Nm/t
Nível do ruído: abaixo de 75 db (A)
Nível máximo de emissões: esc 4 alt. 500mm
Transmissão: Obrigatoriamente automática
Suspensão: Obrigatoriamente pneumática
Chassi: Especificamente para ônibus com baixa altura do piso
Sistema de freios: Pneumático, dois circuitos e freio de estacionamento independentes
Painel de instrumentos: Sinalização de advertência, luz central de alarme e informações básicas para o motorista.
Durabilidade Mínima: vida útil de 800 mil KM – 10 anos de operação
Comprimento total: 12000 mm
Largura: 2600 mm
Portas laterais: 3 portas de 1100 mm de largura e 2000 mm de altura
Altura máxima do primeiro degrau: 370 mm
Passageiros sentados: 37
Passageiros em pé: 47
Marcopolo San Marino Articulado já atendendo as especificações Padron Para o Sistema de Curitiba.

O San Remo deixou de ser fabricado em linha no ano de 1983, embora que até 1985 alguns projetos especiais como de trólebus articulados receberam a carroceria.
O modelo abriu caminho para o Marcopolo Torino que, com as devidas modernizações, é fabricado até hoje e é o ônibus urbanos mais longevo da história da indústria nacional de veículos e transporte coletivo.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes


quarta-feira, 22 de junho de 2016

O Jum Bus da Vera Cruz.

O Carro Fabricado em 2008, Pertenceu á Auto Viação Progresso.

Fonte : Portal Ônibus Paraibanos
Matéria / Texto : Josivandro Avelar
Fotos : Paulo Rafael Viana / André Araújo



A Expresso Vera Cruz, de Jaboatão dos Guararapes-PE, mantém a linha opcional 195, que liga Recife à badalada praia de Porto de Galinhas, em Ipojuca, Região Metropolitana. Por conta disso, a linha é gerenciada pelo GRCT – Grande Recife Consórcio de Transporte – e os ônibus seguem as regras do mesmo. Como a linha é opcional, os ônibus são no padrão executivo com ar condicionado. No caso específico dessa linha, por ser opcional, ela é operada por ônibus com ar condicionado, geralmente veículos de motor dianteiro como Ideale 770, mas no momento de reforçar a linha, a Vera Cruz recebeu um repasse de respeito da Auto Viação Progresso, sua proprietária.
A linha, até a licitação recente, era operada pela Viação Cruzeiro, empresa também da Progresso, mas esta decidiu concorrer como Vera Cruz no certame, mantendo suas linhas atuais e adquirindo as que eram da Viação Cruzeiro. A Viação Cruzeiro foi reposicionada no grupo; a empresa passou a operar as linhas antes pertencentes à Princesa do Agreste, Jotude e Garanhuns.
Com a Vera Cruz operando as linhas, alguns ônibus executivos de motor dianteiro antes pertencentes à Viação Cruzeiro foram recaracterizados no padrão estabelecido para a empresa, que opera sozinha em seu lote. Enquanto a empresa se organiza no serviço, precisou remanejar carros do grupo. Um deles, este Busscar Jum Buss 360, encarroçado sob o chassi K310 da Scania.
O carro, fabricado em 2008, pertenceu à Auto Viação Progresso, onde operou com a numeração 6088. Na Vera Cruz, opera com a numeração 088. O veículo foi baixado da Progresso e seria vendido, não fosse a Vera Cruz precisar do carro, por enquanto. Por enquanto pois está com uma pintura provisória, o que indica que ele não ficará por muito tempo na empresa, sendo um reforço provisório.

A preocupação da Vera Cruz com a linha de Porto de Galinhas não é a toa; a praia é uma das mais conhecidas do país e está presente nas listas de destinos mais procurados por turistas de várias agências e revistas especializadas. Além de atender os moradores dessa região de Ipojuca que se deslocam para Recife, a linha também é uma opção em conta para os turistas que procuram a praia.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

O Torino Quadrado.

Veículo Foi Montado como Protótipo de teste da Volgren, encarroçadora de ônibus da Austrália.

Fonte : Portal Ônibus Paraibanos
Matéria / Texto : Josivandro Avelar
Foto : Jovani Cecchin


Na fábrica da Marcopolo, em Caxias do Sul-RS, pode-se realmente encontrar de tudo. Principal unidade da maior encarroçadora de ônibus do país e com importante presença mundial, a Unidade Ana Rech fabrica urbanos e rodoviários encomendados de todo país e do mundo. E de lá saem também unidades fabricadas especialmente para o mercado externo, como esse veículo que a princípio você deve ter estranhado.
Sim, este é um veículo que, segundo se sabe, foi montado como protótipo de teste da Volgren, encarroçadora de ônibus da Austrália, de propriedade da Marcopolo. Ele é quadrado como os ônibus usados na Europa e na própria Austrália, mas o toque Marcopolo está na frente, com o emprego da dianteira do New Torino.
Este protótipo é encarroçado no chassi B240R da Volvo. 


Maceió Registra Menor Perda de Passageiros.

Maceió Registrou Menor Perda de Passageiros Entre 17 Cidades.


Um levantamento divulgado pela Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano (ANTU), no fim de março, aponta que em 2014 e 2015 ocorreu uma perda diária de 900 mil usuários do transporte público em todo o Brasil. Na contramão desse déficit, Maceió apresentou a menor queda nesse número com relação a outras 16 cidades brasileiras, perdendo apenas 0,8%. Dentre os 17 locais pesquisados, somente Macapá, no Amapá, teve um leve aumento.


Em meio à crise financeira vivida pelo país, o baixo percentual de passageiros perdidos pela capital alagoana reflete a necessidade de locomoção eficiente apresentada pelo usuário do sistema de transporte público maceioense. Somam-se a esse fator as melhorias que estão sendo implantadas pela Prefeitura desde 2013.

Dentre as melhorias, estão as faixas exclusivas para ônibus implantadas em 2014 e 2015 nas partes alta e baixa de Maceió, respectivamente, como ferramentas que deram agilidade ao tráfego de coletivos urbanos da cidade. “Presentes nos principais corredores de transportes, as faixas exclusivas têm garantido celeridade à locomoção dos usuários dos ônibus”, frisa o superintendente da SMTT, Dário César.





A reforma de terminais urbanos de ônibus também é considerada um dos aspectos positivos para a melhoria da eficiência do transporte público na cidade: 20 já foram entregues e um construído.



A licitação do transporte público já trouxe benefícios como a integração temporal entre linhas de um mesmo lote e veículos novos para a frota. “Essas ações tornam o uso do transporte público mais confortável e ainda mais útil para a população”, salienta Dário César.

De 2010 a 2013, houve uma queda no número de passageiros no transporte coletivo de Maceió. No ano seguinte a quantidade teve uma crescente, assim como em 2015, segundo tabela de gráfico da evolução do número de passageiros levantados pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito de Maceió.

Informações: Tribuna Hoje
Fonte  :  meutransporte.blogspot.com
Fotos  :  Sérgio José - Ônibus Alagoas

sábado, 18 de junho de 2016

Linhas 032, 051 e 110 Também passam por mudanças de Itinerário.

Em Maceió , Linhas 032 - NOVO MUNDO / CENTRO , 051 - SANTOS DUMONT / CENTRO e 110 - GRACILIANO RAMOS / TRAPICHE , Também Passam Por Mudanças.

Algumas linhas de ônibus de Maceió terão o itinerário alterado a partir deste sábado (18). A medida da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) tem como objetivo o aprimoramento do serviço oferecido pelo Sistema Integrado de Mobilidade de Maceió (SIMM) aos passageiros. As linhas 032 (Novo Mundo/Centro), 051 (Santos Dumont/Centro) e 110 (Graciliano Ramos/Trapiche) terão os percursos de volta modificados em alguns trechos.


As linhas 032 e 110, no sentido de volta ao terminal urbano de ônibus, passarão a transitar pelas Ruas do Imperador, Sargento Benevides e Sete de Setembro, Avenida Buarque de Macedo, Avenida Walter Ananias, Rua do Uruguai, Avenida Juca Nunes, Rua Doutor Baptista Accioly, Rua Esmeraldino Marinho Spíndola Sobrinho, Rua Pedro Paulino, novamente Avenida Walter Ananias, Avenida Deputado Humberto Mendes, Avenida Cid Scala e Rua Pedro Paulino para então continuar conforme o percurso usual.
032 - Novo Mundo / Centro
051 - Santos Dumont / Centro
110 - Graciliano Ramos / Trapiche

Já novo itinerário de volta da linha 051, os ônibus passarão pela Avenida da Paz, Rua do Imperador, Rua Sargento Benevides, Rua Sete de Setembro, Avenida Buarque de Macedo, Avenida Walter Ananias, Rua do Uruguai, Avenida Juca Nunes, Rua Baptista Accioly, Rua Esmeraldino Marinho Spíndola Sobrinho, Rua Pedro Paulino, novamente pela Avenida Walter Ananias, Avenida Deputado Humberto Mendes, Avenida Cid Scala, Rua Pedro Paulino, Ladeira Geraldo Melo e seguindo pelo percurso normal.
As alterações foram elaboradas com base em pedidos da Escola Técnica de Artes da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), que fica próxima à Praça Sinimbu, Centro, ofertando um melhor atendimento à comunidade local. “Essas linhas seguiam um itinerário que passava por locais com pouca demanda de usuário. A nova programação melhorará o atendimento e a frequência dessas linhas”, explicou o assessor técnico da SMTT, Silvio Sarmento.
 Fonte  : Leonardo Araújo (estagiário)/ Ascom SMTT
Fotos  :  Sérgio José - ônibus Alagoas